Riachão tem 1º caso confirmado de Covid-19; homem detalha como se infectou

0

corona1(2)A Secretaria de Saúde de Riachão do Jacuípe, através da Vigilância Epidemiológica, confirmou o primeiro caso de Covid-19 no município nesta sexta-feira (15).

Trata-se do caminhoneiro Elimário Trabuco de Oliveira, de 38 anos, também conhecido por “Pé de Cobra”, natural de Riachão do Jacuípe, mas que reside em Feira de Santana.

Em conversa com a reportagem do Interior da Bahia, Elimário disse que deve ter se infectado no estado do Pará, na região norte do País, durante a última viagem que fez ao lado de outros três caminhoneiros.

barcarena“Eu estava em Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, junto com mais três colegas. De lá nós seguimos para Tocantins, onde carregamos de soja e descarregamos em Barcarena (foto), no Pará. Lá tinha um colega espirrando e nós ficamos desconfiados. Mas seguimos para Balsas, no Maranhão, onde carregamos e seguimos para Recife, onde tive que tomar um remédio”, contou.

Elimário disse que seguiu de Recife para carregar o caminhão de cimento, na Paraíba, e depois retornaria para Nova Fátima (BA), onde deixaria a carga. “No retorno, em Araci, eu já estava sentindo mais e liguei para a Anjos Jacuipense para pedir orientação, mas cheguei até aqui (Riachão). Ainda no caminho, liguei para a minha mãe para limpar a casa que eu iria me isolar, e foi isso que eu fiz. Eu encostei o caminhão, lavaram e um colega foi descarregar em Nova Fátima”, explicou.

Reação e ameaça

Elimário disse que depois que a notícia se espalhou, algumas pessoas lhe ameaçaram, dizendo que iriam invadir a sua casa. “Eu fiquei aqui esperando esse valentão aparecer. Rapaz, eu fiz tudo certo, logo liguei para a minha mãe e eu me isolei. Fiz o que é certo, não contaminei ninguém e estou aqui isolado, aguardando o resultado do exame. Mas eu estou bem, não tenho febre, não tô sentindo nada. Só estou sem sentir gosto (sabor)” de nada, detalhou.

O caminhoneiro disse que começou a sentir os primeiros sintomas da Covid-19 no dia 1º de maio, quando estava em Picos, no estado do Piauí, retornando do Pará, que é um dos estados mais atingidos pela pandemia. “Comecei a sentir febre, depois melhorou um pouco, mas em Recife (PE) não aguantei mais e tive que tomar um paracetamol”, contou.

Elimário informou que é casado e tem três filhos. “Eles estão em Feira de Santana, onde em moro há vários anos, mas meus parentes, inclusive minha mãe, moram aqui”, concluiu.

Equipe de Jornalismo

Deixar um comentário