Decepção! TV CNN Brasil será um “puxadinho” da Record para apoiar o governo

0

cnnA CNN Brasil anunciou nesta segunda-feira (dia 11) mais três integrantes de sua estrutura. Os jornalistas Leandro Cipoloni e Virgilio Abranches serão, respectivamente, vice-presidentes de jornalismo e de programação e multiplataforma. O jornalista Fabiano Falsi será o chefe de redação. A dupla será responsável pela gestão editorial a operacional da emissora em todas as plataformas. Abranches deixou a Record TV, onde estava desde 2014, para se juntar ao novo projeto.

EX-RECORD – Cipoloni era diretor de jornalismo tanto do portal R7 quanto da TV. Ele comandava a estrutura técnica e operacional de 11 horas de telejornalismo na emissora e também liderou o núcleo investigativo da casa tendo sido responsável pelas reportagens que culminaram com a renúncia da antiga presidência da CBF e que originaram o livro “O Lado Sujo do Futebol”, finalista do prêmio literário Jabuti. A dupla atuará junto ao vice-presidente de conteúdo, Américo Martins, anunciado no cargo na semana passada e que trabalhou na RedeTV e na EBC.

Falsi também trocou a Record TV pela CNN Brasil. Nos três últimos anos, ele foi responsável por comandar o jornalismo da Record na Bahia. Antes, teve passagens pelas rádios Globo e Eldorado, jornal Agora, portal Terra e pelas TVs Globo e SBT.

Até o momento, única emissora nacional afetada pelas movimentações com a chegada da CNN Brasil, a Record TV inicia a semana promovendo mudanças em seu departamento de jornalismo.

NOTA DA REDAÇÃO DO BLOGÉ mais uma decepção. Quando se pensava que estava surgindo uma nova emissora de TV no Brasil, o fato é que a CNN não passa de um “puxadinho” da TV Record, pois será dirigida por Douglas Tavolaro, o “biógrafo” de Edir Macedo.  A esperança da Record com a CNN Brasil é enfrentar a GloboNews, que jamais teve sua hegemonia ameaçada pela RecordNews. Na verdade, o jornalismo brasileiro precisa de veículos independentes, mas a CNN Brasil será uma emissora criada exclusivamente para agradar e apoiar o governo Bolsonaro, de olho nas verbas publicitárias que serão parcialmente retiradas do grupo Globo. Isso nada tem a ver com jornalismo. (C.N.)

(Fonte: Portal Imprensa/ Charge do JR Mora (Arquivo Google)

Equipe de Jornalismo

Deixar um comentário