Onze anos depois, nome do ex-prefeito e ex-diretor da rádio ainda é lembrado

0

valfredaoNesta terça-feira, dia 05 de janeiro de 2016, completam 11 anos da morte de Valfredo Matos, ex-prefeito de Riachão do Jacuipe e ex-diretor da Rádio Jacuipe, que partiu no dia 05 de janeiro de 2005.

Apesar da velocidade do tempo, a importância da data impede que o fato passe despercebido. No dia 05 de janeiro de 2005 a população jacuipense recebeu com muito pesar a noticia da morte do ex-prefeito Valfredo Matos. Ele estava internado no Hospital Santa Isabel, em Salvador.

A noticia parou a cidade praticamente por dois dias, com o comércio fechado e luto nas residências. O seu sepultamento atraiu uma multidão, calculada em mais de 20 mil pessoas. Valfredo havia administrado o município até o dia 31 de janeiro, mas antes disso já havia se afastado para cuidar de problemas de saúde.

Já durante o seu mandato Valfredo apresentou os primeiros problemas de saúde e os médicos lhe recomendaram uma parada para tratamento. Contudo, mesmo doente, Valfredo prosseguiu à frente da Prefeitura, vindo a sofrer consequências depois.

Segredo revelado

Apesar disso, muitos avaliam que o quadro de saúde do ex-prefeito teria piorado quando ele passou a ter algumas informações sobre o município. Triste e decepcionado com alguns, a sua vontade de viver parecia ter chegado ao fim. “Não havia motivo para ele morrer, sua doença não era tão grave assim, Ele deve ter sentido muito desgosto”, revela um amigo, que prefere não se identificar.

Entre altas e volta ao hospital, no dia 30 de dezembro, seis dias antes de vir a óbito, ele retornou a Riachão, mas, por recomendação dos médicos, não era para fazer contatos políticos. A orientação foi compartilhada pelo sobrinho Carlos Matos, que aconselhou ao motorista leva-lo direto para a casa onde ele iria dormir.

Apesar da recomendação, na sua chegada a Riachão, Valfredo pediu ao motorista que passasse pelo centro, dizendo: “Passa pelo centro que eu quero ver Riachão pela última vez”.

“Aquilo parecia ter sido um aviso de despedida. Ele poderia ir por outro caminho, mas fez questão de passar pelo centro, como se estivesse se despedindo de todos”, disse Carlos Matos, que confessou o fato à nossa reportagem.

Legado

Valfredo foi prefeito de Riachão do Jacuipe durante dois mandatos. Foi suplente de deputado estadual e só não se elegeu por causa de um erro de numeração junto ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE), fazendo com que centenas de votos a seu favor deixassem de ser computados em municípios como Santa Bárbara e Serra Preta, por não haver fiscal para acompanhar.

Com grade visão política, Valfredo fez duas administrações que revolucionaram o município numa época em que os recursos eram escassos e sem ajuda do estado ou federação. Abriu e reparou dezenas de estradas vicinais (sempre bem cuidadas), construiu e recuperou dezenas de prédios escolares, e construiu dezenas de campos de futebol pelo interior do município.

Mas as obras que mais repercutiram nas duas administrações de Valfredo foram a construção do Hospital Municipal (um presente para a população pobre), o Estádio Municipal (hoje Arena Valfredão), o Centro Administrativo, a Avenida Eliel Martins, a urbanização total da Rua J. J. Seabra, entre outras.

Valfredistas

Dono de um discurso eloquente e com uma simplicidade natural, Valfredo conquistava aliados e admiradores a todo instante. Até hoje, é comum ver fotos suas em residências e muitos “valfredistas” continuam a lhe venerar pelos seus feitos e “pelo grande homem que foi”.

Alguns “valfredistas” ainda choram quando lembram ou se deparam com a sua imagem. “É porque ele era uma pessoa de Deus, que só fez o bem”, diz uma senhora, que prefere o anonimato.

Na última eleição, o espólio politico deixado por Valfredo foi fundamental para a vitória da candidata Tânia Matos, sua esposa, que se tornou prefeita com um recorde de votos de vantagem em relação ao segundo colocado na disputa.

Equipe de Jornalismo

Deixar um comentário