Morre D. Dete, mãe do repórter Noroel Fernandez e ouvinte da Rádio Jacuípe

0

mae-noroel1Foi sepultada nesta sexta-feira (10), por volta das 15h, no cemitério de Riachão do Jacuípe, a senhora Bernadete Maria de Oliveira, conhecida por Dona Dete, de 76 anos.

O sepultamento foi acompanhado por amigos e familiares, com a presença de toda a comunidade de Mandassaia, da região sul do município.

Dona Dete sofreu uma queda em sua residência, na Mandassaia, na última semana e fraturou o fêmur. Ela precisou passar por uma cirurgia, mas teve alta no mesmo dia.

Contudo, teve complicações após a cirurgia, apresentando sintomas como cansaço, dificuldade de respiração, vômitos e gases. Na última quinta-feira (09), já internada no Hospital Municipal, com o quadro clínico agravado, Dona Dete veio a óbito.

Pessoa querida

Além de Noroel Oliveira (Noroel Fernandez, locutor da Rádio Jacuípe), Dona Dete tinha mais quatro filhos: Maria da mae-sepult1Gloria Oliveira Silva (Da Glória), Samuel Oliveira, Marilza Oliveira e José Sirineu Oliveira. Ela deixa também nove netos e o esposo Osvaldo Almeida Oliveira (Vandu da Mandassaia).

De família católica, a cerimonia de despedida de Dona Dete foi marcada por muita emoção. A presença em peso da comunidade de Mandassaia mostrou o quanto ela era querida, o que foi confirmado durante as leituras e orações. Além da emoção natural dos filhos, as netas de Dona Dete, quase todas na faixa de 12 a 17 anos, choravam sem parar.

“Isso mostra o quanto ela era querida na comunidade e o quanto de bem ela fez. Somos uma comunidade religiosa, com muitos parentes, mas ela era uma pessoa muito boa”, disse João Batista Gomes, presidente do Sindicato Rural de Riachão do Jacuípe.

Dona Dete era valfredista e, segundo familiares, nunca havia votado contra. “Ela defendia o grupo politico com unhas e dentes, jamais votou contra”, disse um filho. Ela também era ouvinte assídua da Rádio Jacuípe.

 

Equipe de Jornalismo

Deixar um comentário