Taís Araújo é nomeada Defensora das Mulheres Negras pela ONU

0

0r1a8106A atriz Taís Araújo, 38 anos, foi nomeada Defensora dos Direitos das Mulheres Negras pela ONU Mulheres Brasil, nesta segunda-feira (3). Conhecida por levantar a bandeira de luta contra o racismo, a atriz terá a missão de apoiar iniciativas da organização no combate à desigualdade de gênero e ao preconceito racial. Ela anunciou a nova função em seu perfil do Instagram.

Antes de Taís, a ONU Mulheres Brasil já havia nomeado atriz e escritora carioca Kenia Maria,  41 anos, como a primeira Defensora dos Direitos das Mulheres Negras. No posto, Kenia atua no combate ao racismo. A primeira batalha é fazer valer o ensino da história e da cultura afro-brasileira nas escolas – obrigatório por lei, mas insuficiente na prática. “Na infância, olhava para além da minha família e não me via representada. A Barbie era branca, as paquitas eram loiras. Nem Iemanjá era negra”, diz.

Uma dificuldade para a grande parte dos negros no Brasil é conhecer suas raízes e sua história, apresentada apenas superficialmente nos livros didáticos. Kenia traça sua origem por meio das histórias da família: da bisavó materna, filha de índia pataxó com italiano; do avô pai de santo e do pai capoeirista; da mãe pedagoga e da tia médica. “Preservamos detalhes que nos ligam às nossas origens. Até hoje comemoramos com festas africanas quando alguém entra na faculdade”, diz.

Com 18 anos, durante a formação da ONG AfroReggae, Kenia passou a promover rodas de conversa para ensinar meninas e adolescentes de comunidades cariocas a fazer turbantes e valorizar o cabelo afro. “Tínhamos pouco acesso a essa consciência que a internet hoje ajuda a disseminar”, diz. “Chegou a hora de questionar a ‘democracia racial’ e lembrar que não está bom para as mulheres negras, vitimadas pelo preconceito e pela violência”.

Na época da nomeação, em março deste ano, a representante da ONU Mulheres Brasil, Nadine Gasman, comentou oficialmente a escolha: “Kenia tem se dedicado à literatura negra infantil e à defesa das religiões de matriz africana, o que agregará aos debates sobre os direitos das mulheres negras durante a Década Internacional de Afrodescendentes e as ações para acelerar a igualdade de gênero no Brasil em apoio à iniciativa global da ONU Mulheres Planeta 50-50 com paridade de gênero em 2030”. A Organização ainda não oficializou a nomeação de Taís Araújo.

Abril

Equipe de Jornalismo

Deixar um comentário


Warning: Parameter 1 to W3_Plugin_TotalCache::ob_callback() expected to be a reference, value given in /home/inter859/public_html/radiojacuipe.com.br/wp-includes/functions.php on line 3509