Riachão: Chapada terá noite cultural com exibição do filme “A Cor do Trabalho”

0

Homenagem_aos_100_anos_de_Abdias_do_Nascimento2No próximo sábado (22), o povoado de Chapada, em Riachão do Jacuipe, viverá uma grande noite cultural com a exibição do filme A Cor do Trabalho, um trabalho que tem a direção de Antônio Olavo. O documentário, com mais de uma hora de duração, busca a conscientização contra o preconceito racial e o respeito às desigualdades sociais. Será uma grande oportunidade para a reafirmação da população dessa comunidade, que na sua grande maioria é formada por afrodescendentes. Além disso, o povoado também serviu de cenário para algumas tomadas do documentário, que conta ainda com a participação do grupo de samba de roda Chuva de Prata. O filme foi lançado no dia 12 de dezembro do ano passado, no Teatro da UNEB, em Salvador, que esteve completamente lotado. Além da presença maciça de estudantes e professores dos níveis médio e superior, o evento contou ainda com a participação de diversas autoridades, como o secretário estadual do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte, Nilton Vasconcelos, o ex-deputado Álvaro Gomes, a vereadora Olívia Santana, além do jornalista Evandro Matos e de Jorge Barbeiro, que representaram o município de Riachão do Jacuipe na solenidade. Filmagens em Chapada As imagens realizadas no Povoado de Chapada foram feitas no mês de outubro pela equipe da Portfolium, produtora do filme. Três participações marcam a participação do grupo Chuva de Prata no documentário A Cor do Trabalho, que registra como a união entre a solidariedade e o trabalho constituiu uma força com o poder de transformar histórias e vidas da população negra na Bahia, positivando suas vivências, superando as muitas adversidades, servindo de exemplos e referências para as gerações posteriores. Do povoado, gente como Zé Pequeno, Jorge Barbeiro, Nere e tantos outros participaram da apresentação de gala, impressionando a equipe do cineasta Antônio Olavo, composta ainda por Josias Souza, Rogério Almeida e Raimundo Laranjeira. Durante a apresentação, de improviso, Zé que Pequeno canta chulas e batuques históricos, todos eles que remetem à tradição de lutas e trabalho do povo de Chapada, que tem a maior parte de seus moradores de origem pobre e afrodescendente. O filme  Produzido pela Portfolium Laboratório de Imagens, o documentário é uma realização da Secretaria do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte – SETRE e faz parte de um conjunto de ações desenvolvidas, entre as quais o recente Edital de Apoio à Economia Solidária de Matriz Africana, cujo objetivo é fortalecer uma política de valorização permanente das raízes históricas do povo negro, nos aspectos sociais, econômicos, culturais, étnicos, religiosos e políticos. A Cor do Trabalho não tem cunho comercial. Suas exibições sempre terão acesso livre ao público e suas cópias serão distribuídas, como doação, para bibliotecas, instituições públicas culturais, entidades negras e todas as escolas do Ensino Fundamental e Ensino Médio da Rede Pública Estadual da Bahia.

Equipe de Jornalismo

Deixar um comentário